O que é ROI e como calcular em viagens corporativas?

Publicado em 11 de janeiro de 2021

Quem está habituado ao mundo corporativo sabe que todos os investimentos aprovados por uma organização precisam ser estratégicos e gerar algum tipo de retorno. Isso só acontece com uma gestão eficiente de recursos e pessoas, de forma que seja possível calcular o valor humano e financeiro investido e gerado.

Normalmente, o indicador financeiro responsável por esse número é o cálculo do Return On Investiment, conhecido no meio business como ROI e resolvido por uma conta simples:

Receita – custo / custo x 100

O que acontece com as viagens corporativas e que nem sempre o retorno pode ser calculado imediatamente. Mas não se engane, é possível medir o ROI de uma viagem corporativa e comprovar o quanto é importante manter essa atividade ativa.

Em 2008, uma pesquisa realizada pela Associação de Viagens dos Estados Unidos (US. Travel Association) levantou alguns dados. De acordo com a pesquisa, as reuniões presenciais convertem potenciais clientes em clientes em 40% das vezes. Já uma reunião online é capaz de apenas 16% de conversão.

Mesmo em meio a uma pandemia, quando existe um aumento do uso de ferramentas online para realizar as atividades profissionais, como webinars, chamadas de vídeo e reuniões, o encontro presencial não foi desvalorizado.

O que aconteceu foi o contrário. Depois do isolamento social, o contato presencial e viajar para lugares diferentes passou a ser a saudade de muitas pessoas. Então, além de uma maior taxa de conversão de clientes, viajar hoje aumenta a satisfação do colaborador.

Então como calcular o ROI financeiro de uma viagem corporativa?

Agora que já sabemos a importância das viagens corporativas, você deve estar se perguntando como defender essa ideia diante das equipes financeiras. Assim como qualquer investimento, é preciso entender que nem sempre é possível fazer cálculos exatos, mas sim, existem alguns indicadores financeiros em viagens corporativas.

Em caso de viagens para fins comerciais, vale analisar os contratos e o valor dos produtos e serviços em evidência. A partir disso, é só calcular a fórmula do ROI usando os custos da viagem e o valor total dessas possíveis vendas.

Já nas viagens para a expansão da empresa e visitas técnicas, uma ideia é fazer a conta usando o valor investido e o potencial de vendas do novo produto ou da nova filial. Lembre-se sempre de considerar valores realistas de acordo com a população local, o mercado na região e os estudos de investimento que a empresa provavelmente já tem em mãos. 

O importante mesmo é ter metas claras para a viagem corporativa e garantir o resultado otimista por meio de um bom planejamento de viagens corporativas.

Vale lembrar que, melhor do que pensar em tudo na hora do planejamento, é ter uma equipe dedicada para essa e todas as outras etapas da viagem, com direito a seguro viagem, assistência 24h, locomoção, ferramentas de online book tool, entre várias outras vantagens ao contratar uma agência para viagens corporativas.

Conte com a Belvitur, agência filiada a Associação Brasileira de Agências de Viagens Corporativas, grupo que reúne as 30 maiores empresas de turismo especializadas no segmento corporativo, para transformar as viagens na sua organização em investimentos cada vez mais seguros.